29/12/2009

Adeus ano velho!

Pra vida valer a pena precisa pouco
Da vida que se tem grande é a recompensa dos que esperam muito
Do muito, muito simples ficou.

E a simplicidade busquei desde o começo
Do ano novo
Novo era o ano, nova vida, nova temporada, novas possibilidades
Possibilidades de amizades, amigos quase parentes
Parentes quase amigos

A praia era uma constante... trouxe lucro, paz, diversão...
Sujeito a tudo que a vida na beira do mar trás

Euforia simples, entusiasmo simples, vida simples...
Como essa palavra não saia de nossos lábios.
Com simplicidade conduzi minha vida em dois mil e nove...

Profissionalmente ascendi e ganhei auto-confiança
Me certificava a cada dia do bem do meu trabalho

No meio materializei a ideia de construir, de juntar tudo numa coisa só
De demarcar o meu território, de usufruir do suor do meu trabalho
De chamar um lugar de MEU.

Mas um vento forte bateu e conseguiu adiar essa nova etapa.
Como é isso? O que é isso? Como lido com isso?
Nunca me ensinaram a ser forte
Nunca me ensinaram a esconder o choro
Ninguém me ensinou dormir e não ter pesadelos
Não me explicaram como lidar com a insegurança...

Sou um tapado? Sou um ser sem experiência? Sou uma criança?Sim e não!Não, porque nada é novo....
Sim, porque coube-me pouco da vida ainda... tudo é muito novo, muito sem precedentes

Nos meus vinte e poucos anos a vida só me presenteou com leveza...
Com a certeza (cega) de que a aflição só acomete o outro
Maldito momento da descoberta de que pra cair basta em pé estar.

E quando queria levantar alicerces fiquei sem chão
Sem ar
Sem esperança
Sem amigos
Sem amor
Sem amor próprio

No peito não cabia mais dor
A mente não cooperava para o bem
Me tornei rude, agressivo, sarcástico, incrédulo.
Ao passo que precisava externa minha ira
Só conseguia externar minhas lágrimas.

Chorar foi ficando cada vez mais comum...
Meio acorde me derrubava em prantos... me descobri fraco.
E reconhecer a minha fraqueza só piorava, só me afundava.
Na areia movediça da decepção eu não conseguia ouvir os gritos de “pára, não se mexa”

Fui descobrindo que não podia ser ajudado,
Tive que ir me reconhecendo como único culpado... mas não adiantou.

Saquei que o tempo queria me ajudar...mas durante muito tempo eu não quis sua ajuda

E ele fez...
e ele foi...
e ele passou.

Conduzi meus dias arrastando as metamorfoses diárias
Ás vezes colocando tijolos, mas na maioria das vezes chutando eles pra bem longe.

Inconseqüente, inconstante, imaturo, insensato, incorrigível...
E incontrolável o meu desejo de fazer certo, de reparar os erros de fazer melhor.

... mas pooooooooooooooooooorra não dava, a dor era maior, o medo era mais forte!

E fui ferindo os que estavam ao meu redor...
Mas descobri pessoas fundamentais e que a elas devo meu recomeço
Velhos amigos e novos amigos com maneiras diferentes de serem amigos.
Descobri como é bom desabafar, como é bom chorar quando dói, como é benéfica a dor para o crescimento.
Descobri o quanto a minha incredulidade só me afastava de Deus e não Ele de mim.
Descobri que todo mundo é igual quando dói, mas somos diferentes na maneira de lidar com a dor.

E o tempo foi passando... e as fichas foram caindo.
Fui me declarando insano na persistência da dor
O sol foi brilhando, a chuva foi diminuindo...
E descobrimos (eu e ela) que não precisava ser como antes... pois o diferente é bom!

Assumir falhas, perdão mútuo, recomeço para o diferente!

Não sou mais quem era no começo do ano, mas ainda não sei direito quem sou.
E não tenho pressa... pois sei o que quero...

Quero o mar, quero amar, quero ser mais pai, mais presente, mais filho, mais marido, mais amigo,
quero exigir todo dia o amor que me é de direito,
e dar o amor que me é prazeiroso dever.
Encontrar a vida simples nas coisas simples da vida novamente.
Molhar a cabeça na chuva
Andar descalço
Bronzear a pele
Subir nas árvores
Abrir os olhos embaixo d´agua
Acariciar a cabeça de uma galinha
Sorrir
Beijar na boca deitado
Brincar com meus filhos no chão
Escrever sem me preocupar com acentuações
E continuar acreditando no amor...

Feliz 2010

5 comentários:

  1. belo balanço... e ótimas resoluções!
    abs, e obrigada pela visita ao bicho solto!

    ResponderExcluir
  2. Oi All, tudo bem com vc?
    Muito bom o texto.
    A simplicidade é a mais bela forma de se viver, torna o gosto dos bons momentos mais saborosos.
    E o balanço anual que fez está ótimo.
    Sucesso em 2010, muita paz, saúde, só coisas boas para vc e sua família.
    Humm obrigado por estar me seguindo e por ser o n°100, rsrs.
    Que bom que gostou do meu blog, fico feliz e espero realmente que volte mais vezes.

    Abraços
    :)

    ResponderExcluir
  3. Ta ai...quero ser mais presente, mais filha, mais neta, mais irmã, mais amiga...

    vlw André

    ResponderExcluir